quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

"la vida es más compleja de
lo que parece..." Jorge Drexler

Um romance incompleto.

"De repente, surgiu a oportunidade. E os dois abraçaram-na como puderam.
Como acontece várias vezes no mundo, a insegurança não permitiu aproveitar ao máximo.
E como acontece várias vezes no mundo, a curiosidade acendeu-se.
E lá foram os dois, seguindo por seus caminhos, esperando a próxima encruzilhada, para, de repente, tomar a mesma estrada"

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Filosofia de engarrafamento

Vamos devagar, que como diria o grande filósofo brasileiro, Martinho da Vila:

"quem vai devagar sempre chega. e ainda chega descansado."


blé!

Engarrafamento

Curiosidades de engarrafamento:

- por qual motivo alguém resolve carregar uma bicicleta de moto?

- qual a conjunção de fatores que leva alguém a carregar duas bicicletas e duas melancias na carroceria?

- por que a outra fila sempre anda mais rápido?

- por que quando carregam um caminhão com grãos, nunca colocam uma quantidade que não vá derramar? O que colocam a mais fica no cmainho mesmo....


PS: tem um cachorro linguicinha me encarando.
Eu queria ter guardado aquela segurança do ventre da mãe.
Eu queria ter guardado a inocência e a alegria da infância.
Eu queria ter guardado a diversão e a despreocupação do colégio.
Eu queria ter guardado a emoção daquele beijo.
Eu queria ter guardado a motivação daquele tapa nas costas.
Eu queria ter guardado aquela explosão de adrenalina.
Eu queria ter guardado.
Eu queria ter.
Eu queria.

É, tem coisas que nem uma foto consegue guardar.

domingo, 27 de dezembro de 2009

Neste Natal e no fim de semana que o seguiu decidi me isolar um pouco.
Quer dizer, as circunstâncias permitiram isso e eu não fiz nenhum esforço para contrariá-las. A maior parte da vida assim, as circunstâncias oferecem e tudo depende da nossa força ou não de aceita-las.
Sendo assim, espero que todos tenham tido um ótimo Natal, sincero, tranqüilo e alegre.
E já aproveito para desejar um Ótimo início de Ano, já que não duvido que o mesmo aconteça depois do dia 31.

Sempre há o que melhorar, e já que está começando outro ano, que tal começarmos mudando?

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAALI DO LADO
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

tem o link para meu ultimo video da série: Poesia Radical

Poesia Radical da Saudade.

Clica ali!

ou copia e cola:

http://vimeo.com/7806316

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Até tento parecer.
As vezes parece.
Mas não é assim.
Eu sei que não é.
E sei que não engano ninguém.
Minha realidade é a transparência,
Só não enxerga quem não quer.
Entre tantos acordos silenciosos,
Existem alguns sinceros,
Que permitem sorrir.

domingo, 20 de dezembro de 2009

E de novo, os extremos e os limites.
Enfrenta-los ou optar pela segurança?
Aceita-los ou questiona-los?


E isso em meio aos marcos que antes pareciam desnecessários e agora legitimam objetivos sendo alcançados.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

A lua brilha
sem figura de linguagem.
ilumina,mesmo atrás das nuvens,
toda poesia,
que se esconde na noite.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

tardes de domingo

uma bela tarde, domingo de sol, daqueles que passam devagar, no equilibrio entre a prisão do tédio e o medo da segunda-feira.
um daqueles domingos que só levantamos para algo muito importante.
e quando faz-se algo de um domingo desses, percebemos que esse algo realmente nos importa.

ah! as tardes de domingo.
onde escolhemos o que realmente importa.


"apenas venha, seguir comigo, em uma tarde de domingo"

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

E indaga a jornalista:
"a melhor forma de prevenir é a prevenção?"

ai, ai...
esse jornalismo regional.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Entre picos de loucura
e vales de consciência.
No êxtase e no máximo.
Na vitória, no cansaço.
Perto do limite, sente-se tudo.
Vive-se ao mesmo tempo,
A coragem e o medo.
Acontece naturalmente.
Talvez nem tão naturalmente.
Mas acontece.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

O calor...

...derrete as ideias.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

"Até a dor
Se vai
Quando olhar é natural"

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Algumas situações testam nossas crenças, convicções e ideais e depois delas podemos perceber se essas crenças, convicções e ideais são realmente verdadeiros.

Para não ficar resmungando sobre a minha vida e ocupar o tempo de vocês vou resumir o causo: eu estava dirigindo meu carro em um rótula, que é via preferencial, e um senhor que conduzia uma charrete não parou em uma parada obrigatória e enfiou um tora enorme, que transportava, no vidro traseiro do meu carro.
Estragou o carro, estragou a carroça. Paramos os dois, descemos os dois. E recebi a seguinte proposta: “ a gente não chama os home, é só tu me dar uma força ali com a carroça”. Não aceitei, tinha consciência de que a culpa não era minha.
O guarda municipal, depois que fez o registro nos orientou a fazer um acordo. Não quis cobrar nada. Quando fui propor que cada um ficasse com seu próprio prejuízo, ouvi a frase “ó guri, me vê 300 reais e a gente não se incomoda”.

Fui embora.

Enquanto acontecia tudo isso, dizia para mim mesmo, “a outra face leonardo, a outra face!”.

E percebi mais uma vez a minha crença como verdadeira.
Palavras e pensamentos naqueles de sempre.
Uma boa dose de trabalho.
Outra de esforço.
E tudo passa a acontecer.
Não como em sonhos,
pois assim não teria graça.

domingo, 1 de novembro de 2009

Ali, na minha frente.
Evocando todo o tipo de lembranças.
Aguçando todos os sentidos.
Motivando todos os sentimentos.

Olho.
Analiso.
Verifico.
Os encantos continuam lá.
Só queria saber o que foi feito dos sentimentos.
O corpo geme.
A alma torna-se exigente.
As obrigações aumentam.
O ritmo parece maior do que o suportavel.
Os sonhos gritam por estarem ficando mais longe.
As decisões parecem crescer de importância.
As perdas também.
As atitudes deixam de ser racionais.
Os sentimentos se confundem.
Os limites tem que ser testados a cada dia.

E luto para que a vontade não desapareça.
Luto para não me entregar.
De repente, o perfume.
Depois, a voz.
Logo o sorriso e o cumprimento.

Coração se contorce sem saber o que sentir.

A cabeça se debate sem saber o que pensar.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

PUTAQUEPARIU.

Se eu estou de máscara é pq as pessoas na minha volta podem me fazer mal. Não o contrário.

Uma pessoa de máscara não necessariamente tem Gripe A ou HIV.

Não, não é agradável usar uma máscara.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Com essa minha mania de ser verdadeiro.
Com essa minha mania de ser sincero.
Com essa minha mania de me entregar.
Sempre acaba doendo mais.
Mas, acho eu, sempre vale muito mais enquanto dura.



Laranjal. Areia. Sol. Quase ninguém. Ondas fracas. O trapiche fechado e velho. Vento.

Um vazio que, estranhamente, me preenche.
Como se a areia fosse absorver minhas pegadas e meus problemas.
Como se a agua da lagoa lavasse minha alma dos meus questionamentos.
Como se o céu azul acima de mim me acalmasse.
Como se as nunvens e as aves lá no horizonte me chamassem a correr atrás delas.
Como se o sol fosse Deus dizendo para simplesmente viver esse dia.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

e nada melhor... do que ter o que fazer.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

De novo.

E me encontro novamente com ela.
Eu andava fazendo de conta que não percebia sua presença.
Eu achava que com a minha mente eu venceria.
Eu achava que com meu coração eu venceria.
Até que fui atacado em outra frente.
O coração então, passou a ter menos força para o combate.
Talvez a mente também.
Fui em busca das minhas reservas.
Não cheguei a tempo.
Quando achava que iria recomeçar minha resistência, fui atingido.
Sempre passa, mas a rotina para superar sempre desgasta.
Exame, ligação, remédio, repouso, remédio, repouso.
Exame, ligação, remédio, repouso, remédio, repouso.
Exame, ligação, remédio, repouso, remédio, repouso.
Uma hora dessas a febre me deixa.

sábado, 17 de outubro de 2009

Eles cantaram.

"all you need is love"

E eu acreditei.

Ou nunca me explicaram o que é o amor.



Frase de filme: "escrevo pq vivo,ou melhor, vivo pq escrevo"

sexta-feira, 25 de setembro de 2009





E no SUS, espera-se, espera-se, espera-se.

O caminho do meio

Existem pessoas que não estudam, e acabam por ficar presas a uma vida com perspectivas limitadas.
Existem pessoas que estudam, e acabam por ficar presas no "academicismo"* e a uma vida com perspectivas que não condizem com a realidade.

O caminho do meio, ah, o caminho do meio.




*seilaeu se essa palavra existe.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

De grátis.

"A vida é de graça
Tem gente que paga pra viver
Espero um carta
Com dinheiro e saúde
Vá se fuder!"

Acho até que já postei isso, mas escutei a música da Vera Loca agora e bateu com a sintonia que eu estou.

Frase filosófica: "o que você plantou hoje?"
Frase de filme: "vocês sabe como são os filmes! não acaba enquanto não acabar"

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Individual

Começo a valorizar individualidades.
Não que algum dia as tenha desprezado, mas começo a valorizar mais.
Quando me dei conta disto, lembrei de um trecho dos Senhor dos Anéis. Quando um personagem diz que queria matar o Smeagol e o Gandalf disse que ele ainda tinha um papel a cumprir, ou algo assim.
Ok, buscar um exemplo em um livro fantasioso pode parecer não fazer muito sentido, mas quem entende como funciona a memória?
Enfim, as pessoas podem ser ignorantes, podem ser simplórias, podem ser pouco influentes, mas todos podem dar (e de um jeito ou de outro acabam dando) uma contribuição. E o modo como os outros a tratam pode definir se será uma contribuição para o certo ou para o errado, para o bem ou para o mal.
Voltaemeia me pego fazendo meu velho discurso sobre sinceridade.
Ao menos consigo ter certeza de que mantenho minhas convicções.

Frase de filme: "not guilt"

sábado, 12 de setembro de 2009

Quarta-feira...

A senhora, então, piscou enquanto encarava a neta. Olhou para o marido dormindo no sofá. Voltou-se para a neta novamente.
- Qual foi a pergunta minha querida?
- Vó, eu queria saber o momento que tu soube que queria casar com o Vô.
A senhora piscou mais uma vez, respirou fundo, como se estivesse avaliando se devia dizer a verdade.
- Foi numa quarta-feira de cinzas, quando olhei para ele e percebi que a única forma de guardar a alegria daquele carnaval era viver a vida ao lado dele.
- Quer dizer que vocês encheram a cara o carnaval todo juntos?
- Não...
- Tu engravidou do papai no carnaval?
- Não...
- Ah... mas vocês aprontaram né Vó? Hein? Hein?
- Não, minha filha, nós só dançamos juntos.. mas foi tão bom...
- Ah Vó, conta outra.
A neta levantou e foi embora, enquanto isso, a senhora olhou novamente para o marido, respirou fundo, fechou os olhos e lembrou daquele amanhecer de quarta-feira de cinzas. Enquanto ela caminhava na direção do Sol, procurando o caminho de casa e imaginando se aquele rapaz havia se interessado por ela, o dito rapaz veio correndo e, sem dizer nada, segurou a sua mão e a levou até em casa.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Da serie Poesias na enfermidade

Se todos fossem poetas
Não teriamos ideias concretas.
Se tudo fosse concreto
Não aconteceria nada de certo.




___________________________________________




Entre a poesia e a solidez
A alegria e a lucidez
Até navegamos para o futuro
Mas sempre voltamos ao porto seguro

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Sempre tem um lado bom.
Se a inércia nos mantém parados, também nos mantém em movimento.
E e para compensar a tal resistência do ar ou a força da gravidade nada melhor que umas ideias novas.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

A cabeça aberta,
Uma boa conversa.
Disposição para a surpresa.
Uma boa ação na cabeça.


E assim, um bom dia se faz e a tranquilidade se refaz.

Frase de filme: "quem salava uma vida salva o mundo inteiro"

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Começo a construir a certeza de que a gente sempre sabe o que tá sentindo.. só temos a mania de perder tempo lutando contra elas e/ou tentando racionaliza-las.



ps: prometo que vou tentar voltar a postar seguido.
mals ae.

pps: editei o post, tinha um 'm' intruso ali. Obrigado pelo aviso, Juliane.

domingo, 16 de agosto de 2009

"porque que eu passo a vida inteira, com medo de morrer?
porque que os sonhos foram feitos, pra gente nao viver?
porque que a sala fica sempre arrumada, se ela apssa o dia inteiro fechada?
porque que eu tenho caneta e não consigo escrever?"


música do Raul, que tinha ficado esquecida.
era louco da cabeça. mas era foda.

escutem: globo.com/fantastico

sábado, 15 de agosto de 2009

O caminho, a próxima curva...

Quase dez dias sem aparecer por aqui, desculpa ai, quem entrou esperando por algo novo.

Abri a pagina para postar várias vezes. Mas eram pensamentos e sentimentos em grande número e pouca forma, ou seja, pensamentos e sentimentos e estado bruto. Sem nenhuma racionalização.

Já perceberam como em épocas que os sentimentos estão assim a vida se torna mais leve? Vai-se pelo caminho desejado sem preocupar-se com o que encontraremos na próxima curva ou qual lado escolheremos na próxima encruzilhada.

Como cantaria a Paula (linda, linda)...


"nada sei desta vida,
vivo sem saber
nunca soube, nada saberei
sigo sem saber"

"sempre na estrada,
sempre distante"

Paula Toller/George Israel

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

e viva o fim do semestre

Corre. Digita. Salva. REfaz. Salva.
Vamo computador!
"e se eu tivesse feito antes?"
"e se eu tivesse começado naquele dia?"
Vamos computador!
Pesquisa, lê, copia, lê, estuda.
Livros, google, livros, exercicios.
prova. "quanto preciso?"
"Não sei isso!" "ah! sei sim!"
"e se eu tivesse estudado antes?"
Dormir? Deixa pra depois.
Livros, google, livros.
Leitura. Exercicios.
Ufa!

sábado, 1 de agosto de 2009

E quando tudo começa a tomar forma..
nos perguntamos se é a forma certa.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

O texto diz que o Kracauer citou o Whitehead, e depois vem a frase:

"Quando entendemos tudo a respeito do sol e da atmosfera e tudo sobre a rotação da terra, ainda assim nos faz falta a radiação do pôr-do-sol."
E esse meu Xavante... só me da alegria!

sábado, 25 de julho de 2009

quinta-feira, 23 de julho de 2009

De repente a agitação toma conta.
Pensamento desenvolve-se em alta velocidade.
Pega a chave.
Vai recebe-la no portão.
O tal carro arranca.
Não era esse carro, não era essa pessoa.


Criamos nossas próprias ficçoes.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

O horizonte seria meu destino, se a solidão não fosse tão má.
No fundo, eu quero uma companhia para a estrada, para que o próximo destino torne-se sempre apenas mais uma parada.
"Eu posso estar correndo pro lado errado
Mas a dúvida é o preço da pureza
E é inútil ter certeza"


O Humberto, as vezes, ja cantou o que eu estou pensando.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

conflito

É, tem vezes que o raciocinio e os impulsos entram em conflito.
E o cérebro para.
E o coração também.
E ficamos nos perguntando o que foi que fizemos...

segunda-feira, 13 de julho de 2009

13 de Julho, dia mundial do rock

"Afinal o que é rock and roll?
os óculos do John ou o olhar do Paul?"

quinta-feira, 9 de julho de 2009

um ano
da primeira dose.
e agora, depois que tomei a ultima,
sinto-me muito bem.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Uma volta no sol.

O sol apareceu,
Como que para lembrar-me de sorrir.

A chuva caiu,
Como que para me inundar de lembranças.

Caminhando pela neblina encontrei
a paz naquelas luzes distantes.

Lembranças que, nunca distantes,
me levam a sonhar.

Se tantas coisas foram possíveis,
porque não buscar mais?

Foi meu aniversário,
e a festa foi fechada.
Só para mim e minha paz.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Pergunta do dia:
Quem que te faz bem?

sábado, 4 de julho de 2009

E a graça?

E que graça a vida teria,
se todas as certezas,
se todas as cabeças,
amadurecessem da noite para o dia?



Frase de filme: "temos que mostrar para o mundo que não somos todos iguais."
Frase de música: "as próximas horas serão muito boaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaas!"
Frase filosófica: "manter-se na ponta do pêlo"

terça-feira, 30 de junho de 2009

Jeito

Segunda- feira me apavorei. Voltava tranqüilamente para a sala de aula depois de comprar algo para comer e, de repente, me dei conta e sai correndo.

Ao comprar meu lanche, larguei minha mochila na mesa, sai conversando distraidamente com meus colegas e simplesmente não lembrei que estava carregando a mochila. Quando percebi, corri. Desesperado, só pensava no que ia acontecer se perdesse meus trabalhos, as anotações para a apresentação que faria dali alguns minutos e minha câmera. Minha câmera!

Atravessei as duas quadras em desespero, e a mochila estava lá. Ninguém pegou. Talvez esse mundo ainda tenha jeito.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Que belo dia que resolveram dar nome para tudo.
Seria tão mais fácil aprender a apenas sentir e viver.
Tentei e não consegui.
Tanto que estou aqui, tentando definir minha falta de definição.

sábado, 27 de junho de 2009

Vive-se a vida que antes não se podia viver?
Vive-se a vida que quer viver?
Vive-se para afirmar algo?
Vive-se precisando de um abraço?
Vive-se?
Apenas vive-se?
Ainda vive-se?
Ainda, apenas, sempre.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Do passar do tempo

E depois de tudo, a sensação do soldado que volta vencedor ou, ainda, do general que está certo da vitória.

Sempre tem algo para controlar. Antes era preciso a motivação. Agora, a preocupação é não perde-la.

Frase de filme: "morrer sem ter sonhado. isso é o fracasso".

terça-feira, 23 de junho de 2009

Momentos e Momentos

Não sei se é a minha memória que funciona de um jeito estranho.
Se é a minha mente querendo me dizer algo.
Ou se são as emoções fortes que provocam esse tipo de coisa...

Mas tem algumas cenas da minha vida, que sempre voltam à mente.
Sempre e sempre.

Muitos significados?
Um significado grande?
Um marco?
Impacto?


Enfim, sou um colecionador.
Colecionador desse momentos que sempre vivem na memória.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Valesca e o Presidente

Não, não freqüento sites de fofoca.
Mas quando vi a manchete na página inicial tive que clicar.
A noção que as pessoas tem de homenagem é incrivel.


http://www.clicrbs.com.br/blog/jsp/default.jsp?source=DYNAMIC,blog.BlogDataServer,getBlog&template=3948.dwt§ion=Blogs&post=193006&blog=53&coldir=1&topo=3994.dwt

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Anarquismo Hiperbólico: sistema político da Sbórnia. Ilha flutuante que é o país dos personagens da peça de teatro citada no post anterior.

Conta a música Aquarela da Sbórnia:

O sistema político da Sbørnia é o Anarquistmo Hiberbólico!
Em época de grande indecisão o povo se reúne em uma praça pública
e fica naquele clima de indecisão,naquele climea de indecisão
naquela coisa de indecisão...
insuportável, indecisão.
indefinível, indecisão,
indecisível, indecisão
Aquela coisa, indecisão.


Até que nasce uma flor, uma linda flor
maravilhosa flor, tão bonita flor...


O sistema politico da Sbórnia!

segunda-feira, 15 de junho de 2009

A vida e o teatro

"A vida e o teatro são como cuspe e baba.
O cuspe é provocado.
A baba não, a baba é natural.
Portanto, o teatro é como o cuspe
e a vida,
a vida é como a baba."

Kraunus Sang e o Maestro Pletskaya - Tangos e Tragédias



Provável que não seja exatamente assim. A memória é uma traidora.

E viva o anarquismo hiperbólico!

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Dia 12

"Que vais fazer no dia dos namorados?"
"Sei lá"
"Tá solteiro?"
"Tô. Namorar da muito trabalho."

Saudade do que não vivi.

"Eu preferia quando os carros tinham placas amarelas.
Eu preferia quando não usavam grades nas janelas

Eu queria que voltasse os anos 60...."

Vera Loca

a dedicação e a exaustão

Acho que não somos nada se, ao menos de vez em quando, não ficarmos exaustos por algo em que acreditamos.

Seja pela nossa fé.
Seja por uma paixão.
Seja pela arte.
Seja pela profissão.
Seja por uma boa ação.

Ser dedicado nos torna mais dignos.

terça-feira, 9 de junho de 2009

João, os pensamentos e as tentativas.

João Silva, o nome dele. Pele: Não clara, mas também não escura. Idade: Não velho, mas também não novo. Altura: Não alto, mas também não baixo. Cabelo: Não curto, mas também não é comprido.

João pensava. Pensava o tempo todo.
De noite, quando deitava na sua cama, sempre pensava sobre o que tinha feito naquele dia.
Em algumas noites era difícil de dormir. Em outras, adormecia rápido.
Dormia rápido por estar cansado ou de satisfação com a vida.
A insônia chegava quando a consciência pesava ou quando a alegria era grande demais.

João pensava. Pensava sobre tudo.
Sobre cada matéria da escola e começou a enlouquecer.
Sobre cada jogo e achou que errava demais.
Sobre cada palavra escutada e a coerência parecia não existir.
Sobre cada palavra dita e às vezes não confiava nele mesmo.
Sobre cada pessoa e acreditou conhece-las.
Sobre cada sentimento e pareceu que amava.
Sobre cada ato e se decepcionou com o mundo.

João pensava. Às vezes até demais.
Até que um dia cansou de pensar em tudo.
Resolveu se dedicar só ao que ele gostava, jogar para se divertir, escutar o que lhe parecia certo, falar só o que queria. E também percebeu que é preciso conviver com alguém para conhece-lo, que até então só tinha pensado sobre o amor e nunca amado e que o mundo vai sempre decepcionar.
João agora segue os próprios impulsos. E só pensa quando necessário.

João não entende quando universidades não possuem professores, governadores fogem do povo, políticos não obedecem as leis, conceitos são distorcidos, palavras são trocadas, obras de arte são abandonadas, pessoas se vendem e se matam ou quando a mesma mentira é repetida e o mesmo povo acredita, sem falar de quando alguém se sente superior e outro alguém acredita.
João pensa sobre essas coisas, ele acha necessário. E tenta muda-las.
Fica-se esperando pelo dia que ele conseguirá, ou, de repente, poderíamos tentar ajuda-lo na tentativa.

domingo, 7 de junho de 2009

Facilidade

Nem sempre dá certo, mas fazendo o que se gosta é mais fácil ser feliz.
Uma atitude para retomar a vida.
Outra para fazer algo que dá prazer.
Uma atividade com amigos,
outra para melhorar na profissão.
Chamar pessoas interessantes para nossa volta,
e aproveitar também as que surgem.

Se a gente fosse sincero com a gente mesmo, tudo seria mais fácil.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

O sol, a caminhada e o jogo





Fim de tarde,
sombra comprida.
Futebol na praça,
antes que o sol fuja.
Lanche da padaria,
Pra alimentar o corpo.
Caminhada no sol e no vento,
pra alimentar a alma.

E seguir a vida.
E seguir a vida.

terça-feira, 2 de junho de 2009

O frio, ah, o frio.

O frio nos envolve.
Congelam os dedos.
Congelam as mãos.

A luta que resta é pra não congelar a mente e a alma. Pois se congelar, perde-se o rumo.


"Faz muito frio aqui em Pelotas, gosto mesmo é quando aquece e chega a 15 graus"


Frase de filme: "você tem carater rapaz"

sexta-feira, 29 de maio de 2009

A última

Um exame e a sorte ainda irão confirmar se realmente será a última, mas por enquanto a perspectiva é de que tenha sido.

Hoje fiz a última sessão de quimioterapia prevista no tratamento. Depois dela, só comprimidos.
Não que os comprimidos não sejam quimioterapia também, mas é que acabou aquele ritual de ir no hospital, receber remédios, ficar enjoado, esperar passar. e depois ir no hosítal, receber remedios....

A sensação de cumprir uma etapa sempre me deixa empolgado para terminar a próxima. Tomara que continue assim.

Cumprimentos.

terça-feira, 26 de maio de 2009

SETE IMAGENS

2ª edição do Sete Imagens, projeto que abre o Teatro Sete de Abril para produções audiovisuais, começará na próxima quinta-feira.

É a segunda edição e pela segunda vez uma produção que faço parte irá passar e não poderei estar presente. Tratamento... mas tudo esta melhorando.


Quem puder compareça, garanto que valerá muito a pena. Vídeos interessantes e, após exibições, pessoas interessantes para dialogar.

TEATRO SETE DE ABRIL
QUINTA-FEIRA DIA 28.
18:30 ATÉ 20:00


não percam.

domingo, 24 de maio de 2009

A noticia e o tempo

".. 26 horas e 15 minutos durante o mês. Isto é, um dia inteirinho e mais uma hora e 15 minutos." Diário Popular - hoje.


Não sei vocês, mas o meu dia tem só 24 horas.

Paisagem






Céu Azul em Pelotas.
Talvez um dos últimos antes do inverno.
Vista do IAD.

sábado, 23 de maio de 2009





Em breve: Tempo a Dois.

quinta-feira, 21 de maio de 2009

e tem dias assim...

que não se sabe direito como o tempo passou. e não se sabe direito o pq das coisas.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Talvez aquela espiral que eu descrevi aqui uma vez... seja como um escultor, que vai nos tirando tudo que não faz parte da nossa essência. E quando ele acaba a obra, transcendemos.

sábado, 16 de maio de 2009

Pois tem vezes que me preocupo tanto com o que penso que esqueço o que sinto.
Mas bom mesmo é quando eu sinto tanto que esqueço de pensar.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Segue-se em frente, apesar de tudo.


"Embora o mundo seja difícil de ser vivido, sabemos que é preciso vive-lo" M. Maffesoli

terça-feira, 12 de maio de 2009

Sobre aquele vácuo que sempre surge

Completo e vazio.
Perto e longe.
Me falta, mas não é que precise.
Preciso, mas não é que me falte.
Conclui, mas deixa em aberto.
Abre, mas coloca um ponto final.

Talvez falte algo grande.
Talvez pequeno.
Talve um abraço,
um amasso,
um beijo,
ou algum outro feito.

Talvez um sim,
Talvez além,
Algo assim,
Sem nenhum porém.

domingo, 10 de maio de 2009

o futuro e o google

http://www.clicrbs.com.br/especial/rs/tecnologia/19,0,2501878,Saiba-como-o-Google-pode-ajudar-a-prever-o-futuro.html


o google, tudo sabe.
As coisas mudam. Isso todo mundo sabe.
Mas depois que mudam, acomodam-se.
Acomodam-se, e até pode ser bom.
Mas as vezes o que esta acomodado perde a chance de mudar pra melhor.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Quando nos movemos, o resto vai junto.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Tchê,

sabe aqueles instantes que ficam se repetindo na nossa cabeça?

Repetindo, repetindo.

E tudo torna-se aquele instante.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Dilma

Diz a Dilma que vai fazer Quimioterapia mas não vai diminuir o ritmo de trabalho.

Menganaqueeugosto.

domingo, 26 de abril de 2009

Sabe quando algo desperta?
Sabe quando da vontade?
Sabe quando imagina-se o futuro?
Sabe quando...

É. Eu sei.





ao menos hoje.

sábado, 25 de abril de 2009

Pode ser só o clima.
Pode ser a aura.
Pode ser a energia.
Podem ser as pessoas.

Mas ja repararam que tem lugares que te desanimam, te deixam lerdo, parado ou sem iniciativa?

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Da série Sentimentos sem sentido - 1

Era sempre a mesma coisa.
Ele estava cansado disso.
Não podia continuar assim.
Ele merecia muito, muito mais.
Ela não tinha direito de fazer isso.
Ela não podia ignora-lo.
Ela não mudava de atitude nunca, merecia uma resposta.
A conversa era sempre a mesma, sempre.
Ele já podia ouvir as palavras dela antes mesmo de vê-la.
Dessa vez ele ia mudar isso. Não podia continuar assim.

Ele caminhou em direção a ela, concentrado, determinado a mudar aquela rotina.
Passos lentos, olhar firme, como um caçador atrás da vítima.
Mas...

Quando ela o olhou com aquele olhar inesquecível e lascivo, ele se desarmou. E nada mudou, a conversa foi a mesma de sempre.

"oi. Pra ti?"
"4 pães, por favor"
"hum..."
...
"mais alguma coisa?"
"não. só."
"obrigada"
"valeu..."

domingo, 19 de abril de 2009

sábado, 18 de abril de 2009

Uns dias longe da internet e sinto falta de escrever aqui.

Escrever e imaginar a reação de quem lê é algo que já faz parte da minha rotina. Poucas pessoas comentam, fato do qual não reclamo já que eu raramente comento em outros blogs, mas as vezes sou surpreendido por alguém que diz que lê e gosta.

Enfim, no momento nada demais passa pela minha cabeça, além das minhas aflições pessoais. Escrevo só para dizer que sinto falta de jogar minhas idéias pra cima e ver se alguém pega. Sinto falta de vocês, mesmo que o único sinal de existência que tenho seja o número ali do contador subindo.


Cumprimentos.

terça-feira, 14 de abril de 2009

O diferente

Lá estava eu, entre 40 ou 50 pessoas. O espaço é pequeno e todos se aglomeram. Eu de máscara, minha mãe ao meu lado. Aos poucos, as pessoas começam a ser chamadas e direcionadas, minha mãe inclusive.
Algum tempo depois, lá estava eu, entre 20 ou 30 pessoas. 20 ou 30 pessoas que faziam um círculo na minha volta, enquanto conversavam sobre suas desventuras, e deixavam ali, isolado, o cara de máscara.
Não, não me senti chateado, até pq eu realmente estava querendo ficar sozinho e quieto. O que faz pensar é que eu recebi o resultado do exame que me permitia tirar a máscara na tarde do mesmo dia do acontecido, mas tem pessoas que carregam diferenças que não saem como uma máscara.
Talvez seja natural do ser humano se distanciar do que lhe é estranho, talvez seja mais fácil ignorar e seguir, talvez seja mais fácil não se envolver.
Não posso afirmar nada além do fato de que, se eu sofresse esse tipo de coisa todos os dias ia realmente precisar juntar toda a minha paciência, toda a minha compreensão e toda a minha coragem cada vez que fosse sair de casa.




Frase de filme: 'ela nem sabe meu nome de verdade'

domingo, 12 de abril de 2009

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Fluir e mudar

Tudo flui.Tudo muda.
E cada um acha que flui ou muda por um motivo.
Eu acho, que seja lá o motivo que for,
que fluirá e mudará até achar um equilíbrio.
Até lá,
Só resta se adaptar.
Que uma hora chega.

domingo, 5 de abril de 2009

Sinceridade, mudança.

As vezes, quando se é sincero, machucamos.
E isso acontece pq não se quer enxergar as coisas.
Também crio fantasias ou ignoro o que não me satisfaz, mas, depois do soco na cara de perceber o real, percebe-se que ter a certeza, mesmo que ruim, é sempre melhor.
Por isso tento sempre ser sincero.

Todos criamos fantasias para nos sentirmos melhor, mas a alegria, quando verdadeira, compensa encarar a verdade.

Encarar a verdade e saber que não é definitivo. Tudo está sempre mudando, sempre fluindo e se transformando.

sábado, 4 de abril de 2009

Anseios e desejos

Ansiedade pela chance de agir.
Ansiedade pela atividade.
Atividade pela felicidade.
Felicidade pela luta.
Luta para voltar.
Voltar para, então, partir.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Quem ler o post abaixo, por favor, não me mande ver Marley e eu.

Pode ser preconceito, mas me parece filme de cachorro misturado com auto-ajuda.

Preconceitos e filmes.

Todos nós temos algum preconceito.
Talvez por medo do novo, talvez por uma educação errada.

Eu tenho vários. Mas não é nada muito grave, nada racial, social, sexual...

Uma amiga minha diz que o preconceito que ela tem é com pessoas que sabem nomes/números de modelos de aparalheos de celular. Sei lá, acho que compartilho.

Um preconceito que eu tenho é com filmes dublados. Como gostar de um filme dublado? Um filme dublado possui, no máximo, um rascunho da interpretaçãod dos atores.
Outro preconceito cinematográfico? Filmes que passam na TV de manhã. Geralmente são o resto dos restos.
Filmes com bichos e crianças heroínas também sempre merecem minha descofiança.

Mas não é que um filme dublado, visto esta manhã me emocionou? (não ainda não gostei de nada com animais sensíveis ou falantes)

Escritores da Liberdade, o nome. Para quem já viu e achou piegas, saiba que eu também achei, mas algo fez sentido. Talvez o fato de tudo resultar em um livro. Talvez o fato da aceitação da igualdade, do fim de preconceitos.

Sempre gostei de grandes histórias, personagens que mudaram o que aprecia imutável.

Enfim, fica a dica cinematográfica e a reflexão sobre preconceitos.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

A pequena chance.

Filme que vai para festival na europa passa em Pelotas.
A Argentina leva 6 da Bolívia.


Como diriam os Titãs 'há sempre a pequena chance do impossível rolar'







Frase de filme: "mas isso seria impossível de acontecer!"

segunda-feira, 30 de março de 2009

Da dor e do tempo

A dor.
Ah! A dor.
Aventura solitária.
Confronto interno.
Nada heróico.
Nada nobre.
Só dor e o tempo.
Vem a dor, espera-se o tempo.
O tempo sempre, sempre ganha.

quinta-feira, 26 de março de 2009

Virgindade

Cara, tem mulher leiloando a virgindade na internet.
E tem virgindade por 1 milhão e outras por 15 mil.


Onde foi parar a pureza deste mundo?

Ou no mínimo a vergonha mesmo...

prova de amor

http://noticias.terra.com.br/mundo/interna/0,,OI3660632-EI8140,00-Argentino+nada+horas+para+salvar+companheira.html


O cara nadou SETE horas.


E ah, era argentino ainda.


Pensem bem, o cara que esquece de dar rosas, esquece o aniversário de namoro ou foge do almoço com a sogra... esse cara um dia pode precisar nadar sete horas para te salvar.


heheheheheh

quarta-feira, 25 de março de 2009

O Sol sobe e desce.
O futuro se aproxima.
Mas algo some no horizonte.
E o Sol sobe e desce.

O vento sopra.
Com dor.
Com força.
E o vento sopra.

sexta-feira, 20 de março de 2009

Nostalgia

Quando eu nasci, ainda não tinha computador em casa.
Quando eu nasci, e isso foi no século passado, celular não era uma coisa comum.
E agora que é uma coisa comum, eu mal sei usar o meu e não faço a mínima idéia do nome dele.
Quando eu nasci, o jeito de escrever era outro.
Quando eu era criança, não tinha um videogame, eu costumava correr no pátio.
Nessa mesma época, as crianças obedeciam a hora de almoçar, de fazer o tema e de deitar.
Eu adorava meu pirocóptero, brincava de Power Rangers e jogava taco, além da clássica goleirinha.


Enfim, tem vezes que me sinto velho.
Ou apenas dei sorte.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Nada como um verão assistindo aula...

Acabo de descobrir que as aulas da UFPel vão encerrar-se, neste ano letivo no dia 30 de dezembro.

30 de dezembro! Imaginem.

Calor, muito calor.
Ninguém se agüentando mais...


Quando atrasa o calendário por causa de greve dos professores, ao menos eles vão até dezembro com os alunos. Agora, será que o reitor voltará do feriado de natal para dar expediente na reitoria? Digo na reitoria, não no Café Aquário.



A indignação era só essa, mas dai lembrei de outra questão.
Um aluno de baixa renda, oriundo de outra região do estado/país, que soh tenha recursos para voltar para casa no fim do semestre, ou pior, vai para a BR pedir carona, vai passar o Natal longe da família? E caso tenha que fazer algum exame, a virada do ano tb?
Dá pra imaginar a casa do estudante lotada no natal.

Não sei como serão as aulas naquele período perto do natal, pq ateh agora soh foram divulgadas as datas de início e fim dos semestres.

E tudo isso por causa da lerdeza da reitoria, que não chamou aprovados no(s) concurso(s) semestre passado, adiou o início das aulas para faze-lo... e ainda não se tem notícias te que isso tenha acontecido.

Já estamos pagando o mico de ser a única Universidade que ainda não iniciou as aulas (estamos pq os alunos tb fazem parte da universidade, coisa que parecem não lembrar) e por pouco, muito pouco, não pagamos o mico de encerrar esse ano no ano que vem.

terça-feira, 17 de março de 2009

e em uma terça chuvosa e feia...

"Vamos fazer nesse braço hoje"
"tah"
"aqui ó.."
"ai. aaaah. ai"
"hum... não deu.."
"putz"
"tem essa aqui ó."
"aaaa.. sss"
"só mais um pouquinho"
"aa..."
"também não deu.."
"aff.."
"quem sabe essa aqui mais pra cima.. deixa eu tentar de novo?"
"dexo né.. faze o que.."
"vamo lá entao."
"aa ah aiaiai"
"é. também não deu."
"hum... o outro braço?"

segunda-feira, 16 de março de 2009

"se essa rua, se essa rua fosse minha..."

- Isso não vai fica assim! Vocês não podem fazer isso. – gritou ela em frente ao portão – Vou chamar a polícia!

Eles não acreditaram, ela ligou.
Chegou a polícia.
Me sai um bando de guri, mais ou menos a minha idade, de dentro do estacionamento/casa. No final das contas o problema é com um deles, um dos policiais ‘dispensa’ os outros.

Trechos do diálogo:

- Ele e o pai dele me trouxeram pra cá. Pegaram minhas coisas e me trouxeram pra cá.
- Mas eu disse que tu pode ir embora!
- Mas é o meu pai!
- E cadê o teu pai guri?
- Lá dentro.
- Chama ele lá.

Discussão enorme entre os três. Os policiais vão se irritando.

- Só o que nos interessa é essa agressão. Vamo pra delegacia, ou vocês se resolvem ai.

Entram no carro o pai e ela.

- Mas não foi ele que me bateu!
- O que?
- Não foi ele. Foi ele que me puxou pelos cabelo. – diz apontando para o guri, no lado de dentro do portão.
- Mas já ta trocando a história! – grita um policial.
- Então vai o guri pra delegacia! Pode sair ai, meu amigo.

O guri demora uns 5 minutos para sair, acabam indo os três pra delegacia. Não sem antes ouvir a frase derradeira do policial:

- Não resolvem a vida, depois o cara tem que vim resolver. Somos juiz de paz agora.

E o carro arrancou, rumo a delegacia.



Andei fuçando a vida de alguém? Não.
O grito da moça, fez toda a vizinhança olhar a rua.
E a viatura estacionou debaixo da minha janela.
Se depender da minha rua, de tédio eu não morro.



Cumprimentos!

domingo, 15 de março de 2009

Stop the music

Temos muito som a nossa volta, não acham?
Música, adoro música, até me arrisco a fazer umas...
Mas, me dei conta,.. ninguém mais para para ouvir musica. Para para, entenderam? (os acentos diferencias morreram..)


Se está no pc, se escuta musica, pega-se o onibus com fones de ouvido, corremos com fone de ouvido, viajamos com fones de ouvido. Trabalhamos com rádio ligado, cozinhamos com o rádio ligado.. eu já fiz mielograma (tirar sangue da medula) escutando Cachorro Grande!

Talvez seja medo do silêncio, do som da própria respiração, do som da rua, quiça, o som dos pássaros.

Não paramos para ouvir música, não pensamos sobre ela, e acaba-se gostando do que se repete mais nos nossos ouvidos. Sem iniciativa pessoal nenhuma.

Consome-se a música.. do mesmo jeito que consome-se tudo...

Acho que nasci tarde. Sei lá, me sentiria melhor esperando meses por um LP, que gerava todo o ritual de juntar muita gente na sala para ouvir o que havia de novo.
Deve de ser isso.
Nasci tarde.

Selos PP






Rá! Criei selos PuraPersPectiva.
Eles estarão presentes em tudo o que eu fizer e tornar público a partir de hoje, menos nos textos, obviamente.
Fotos minhas, vídeos/filmes que eu faça sozinho e/ou q eu dirija e se Deus quiser, em breve, camisetas que criarei. E seja lá o que for que eu me meter nessa vida...

Enfim, a partir de agora, sem esses selos, não é meu.


Espero que funcione.



Abraços.

Xavante: elogios e algumas conclusões

Critiquei outro dia, tenho que elogiar também.
Perdemos, mas estávamos jogando direitinho.
Tínhamos ataque! A defesa não estava ratiando tanto, não estávamos cometendo tantas faltas bobas.
Mas aquele penalty estrago tudo. Dessa vez não merecíamos perder.


Conclusões:

Ok, quem sou eu pra tirar conclusões, mas o futebol é o ópio do povo...

- Dependemos ofensivamento do Magno e defensivamente do Luiz Carlos.
- Luiz Carlos tem que ser titular.
- Precisamos ter dois atacantes. Giovani ou Porcellis e Kelson ou Lyndson



Saudações Xavantes.

E putz, temos que torcer para a dupla gre-nal esse fim de semana. Quer dizer, não por eles, contra o Sapucaiense e o Inter-SM.

sexta-feira, 13 de março de 2009

Passado, presente, futuro.

O futuro, parece me sorrir.
Mas é perigoso, esse sorriso.
Se olhar muito para o futuro,
esquecemos do presente.
E o presente, esse sim,
é fácil de perder.




Ontem me falaram de uma teoria, não lembro de quem, que diz que o presente, no fundo, não existe, ele é só um pedaço do passado e outro do futuro.
Interessante, não acham?



Frase de filme: "é muita injustiça, não?"

quinta-feira, 12 de março de 2009

"Um diretor tem que atuar como um comandante no campo de batalha. Necessita-se da mesma capacidade para inspirar, aterrorizar, estimular, reforçar e geralmente dominar."


Orson Welles

"força e vontade, cheio de graça"

Sabe quando a intenção é boa, mas a execução é um desastre? Pois o time do BRasil está assim.

Eu sei, eu sei, o trauma é enorme, não se sabe como está a cabeça do jogadreos, falta preparo...

Diante de um situação como a do Brasil, deve-se jogar com bravura, além do mais, os times Xavantes, tradicionalmente são guerreiros e são empurrados pela torcida. E se normalmente somos uma torcida que tem um time, este ano ainda mais.

Ninguém pode dizer que os jogadores não estão se esforçando ou não estão demosntrando orgulho em vestir a camisa do rubro-negro, mas ainda podemos nos queixar. Se não podemos exigir preparo físico ou entrosamento, podemos exigir um pouco de inteligência e racionalidade.

O nosso hino diz "força e vontade, cheio de graça" mas nossos jogadores parecem só saber da primeira parte dessa frase. Salvo raras exceções, o que se vê são atletas com vontade, com garra, ímpeto, mas sem qualquer noção. Sem a graça que cita o hino.

Vi o Danrlei, que tem uma Libertadores nas costas, pedir impedimento em um lance que começou em uma lateral (que não tem impedimento) e depois bateu em um jogador da defesa (o que acaba com qualquer possibilidade de impedimento). No último jogo, contra o campeão do primeiro turno, conseguimos ter um jogador expulso antes dos 20 minutos. Sem falar de quando cometemos falta e reclamamos até receber amarelo, ou das faltas na defesa do adversário, lá na bandeirinha de escanteio.

Discernimento. É isso que eu pediria aos nossos jogadores. Garra, vontade e ímpeto sempre, mas um pouco de discernimento e inteligência. Só assim para o Xavante ficar onde merece.








Desculpas a quem não gosta muito de futebol, mas essas palavras queriam sair da minha cabeça desde terça.

quarta-feira, 11 de março de 2009

Administração

A vida, é administrar mudanças.
Se não acontecerem mudanças, não é vida.
Se não administra-las, elas te administram.
Se elas te administram, a vida deixa de ser tua.

segunda-feira, 9 de março de 2009

sábado, 7 de março de 2009

Abstinência

Desconfio do que escuto.
Desconfio do que penso.
Sabe-se lá da sanidade.
O nível da loucura.
O real?
Como medir?

O vazio, dá segurança.
Qualquer interferência pode não ser.
O vazio é, pois simplesmente não é.
O tudo pode só parecer.

O vazio é fácil.






Bom fim de semana para vocês.

sexta-feira, 6 de março de 2009

Descanso

Descanço no meio da Avenida.

Preferência

Não gosto muito de contar fatos da minha vida aqui.
Me sinto uma adolescente de filme americano escrevendo no diário rosa que tem um cadeado...
Mas vamo lá..


Tive que sair de casa, apesar do isolamento recomendado pelo médico.
A ida ao banco era necessária.

Sendo assim, sai de casa de máscara, boina e câmera fotográfica.

Entrei na Caixa Econômica Federal, me dirigi para a atendente, para saber onde ir.
A resposta dela foi: "pega uma senha A e espera te chamarem".
Fiz o que ela mandou, crente que a senha A, era a senha para fazer depósitos. Afinal, eu precisava fazer um depósito.
Somente quando fui entregar o número da minha senha para o Caixa que li o papel e percebi que A era a senha para o caixa preferencial.
Fiz o depósito e sai do banco me perguntando se eu deveria ter recebido uma senha preferencial. No papel dizia Idosos, Gestantes e Deficientes Físicos.
Sei lá.



E claro, na rua uma pessoa de máscara, boina e câmera fotográfica nas mãos nem chama atenção...

quinta-feira, 5 de março de 2009




Visão da sacada.

Diario

Eu ja contei.. mas não dá nada repetir.

Tenho um diário sobre esses dias de doença.
Tipo a Anne Frank, a Zlata ou o William Douglas.
Só que não sobre guerra ou preparação para maratona/concursos, sobre a rotina do tratamento e tal..
De repente, um dia algum estudante de medicina e/ou psicologia se interessa..

Enfim, ai vai um trecho..


"... até isso ajuda.


O tempo acontece no ritmo que tem que acontecer.
O problema todo é alinhar a cabeça e o coração com esse ritmo.
Na verdade, nem sei se o tempo existe.
Acho que inventamos ele. Para ter de quem reclamar."

Caos

Cara, pelo que entendi, em uma eleição de uma dessas comissões do Senado, o PT e o PSDB (sim, água e óleo) se uniram em prol de uma candidata. E esta candidata perdeu para o Collor (elle mesmo), que tinha apoio do próprio partido (PTB) e do PMDB.

Porra, eu achava que ainda dava pra entender alguma coisa na política.

quarta-feira, 4 de março de 2009

Artigo - Sobre mudanças e gratidão

Abaixo, a versão original do artigo que saiu ontem no Jornal NH, página 10.
No jornal, algumas partes foram suprimidades, devido ao espaço, acredito.
Nada que alterasse o significado.



Sobre mudanças e gratidão

No início desta década que começa a acabar, me mudei para Novo Hamburgo e confesso que a adaptação não foi exatamente fácil. Por ser muito novo e existirem muitas diferenças em relação à minha terra natal passei por essa dificuldade, porém, hoje, o que desejo é demonstrar meu enorme agradecimento ao povo hamburguense.

Desde o ano passado faço um tratamento de quimioterapia contra uma Leucemia Linfóide Aguda e em alguns períodos esse tratamento exige transfusões de sangue contínuas e freqüentes. No meu caso, acredito que já tenha superado estes períodos, não necessitando de um grande número de. doações daqui para frente. Isso só acontece devido a uma bela corrente. Corrente essa que é o motivo da minha gratidão.

Posso citar o nome daqueles que começaram e ajudaram a organiza-la (Rafael, Jader, Janete, Isabel, Daniel...), porém, doar sangue envolve cada indivíduo. Doar sangue é, literalmente, a entrega de uma parte de nossa vida em prol do próximo e diante deste ato sei que a minha gratidão e a dos outros pacientes que receberam o sangue doado nunca poderá ser medida.

Escrevo para abraçar cada um que enfrentou a viagem, a espera a agulha e a dor. Aqueles que eu já conhecia, aqueles que passei a conhecer e aqueles de quem recebi o sangue e a grandeza no coração sem nunca nem ter cruzado o olhar. A vida vai sendo construída através das mudanças que se impõem e das nossas reações frente a elas. Acontecimentos e atitudes como essa corrente de doação fazem pensar no futuro, na esperança e no entendimento. Fazem acreditar na humanidade.

Deus abençoe a todos.

Sinceros agradecimentos,

Leonardo Vieira Peixoto e família.


Foto do movimento de pessoas na Santa Casa de Porto Alegre. Da época citada no post abaixo.

determinação

Um micro-ônibus que ia de Sobradinho para Porto Alegre levando algumas pessoas que iam fazer tratamento médico sofreu um grave acidente e ao que tudo indica, todos os passageiros faleceram.

http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&section=Geral&newsID=a2426092.xml


Algo parecido já tinha acontecido ano passado, com pacientes vindo de Santa Vitória, se não me engano. Essas viagens acontecem todos os dias, de todas as regiões do estado, pela falta de estrutura dos hospitais do interior.

Vi uma repórter perguntar para a Secretária de Saúde de Sobradinho se a viagem era realmente necessária, se não existia estrutura mais perto. QUE PERGUNTA IDIOTA.

Eu já tive que encarar idas diárias até a Santa Casa de Porto Alegre para fazer tratamento de saúde. É ÓBVIO que essas viagens são realmente necessárias, do mesmo jeito que se houvesse a mesma estrutura mais perto, ela seria utilizada.

O movimento ali pela Santa Casa é incrível quanto a variedade de locais. Nos dias que passei por lá devo ter conhecido o nome de dezenas de municipios do estado. E, por incrível que pareça, nos rostos das pessoas que entram e saem do hospital e descem e sobem dos veículos das prefeituras sempre se enxerga determinação.

terça-feira, 3 de março de 2009

O peso da espera.

ARTIGO

Página 10, do Jornal NH de hoje.

Quem puder ler.

Amanhã coloco-o por aqui também.

auto-imagem.

Esses dias um psicólogo me perguntou sobre minha auto-imagem.
Tipo de pergunta que eles gostam de fazer.

Ontem, lembrei da pergunta quando vi uma senhora exclamar ao ver sua nova carteira de identidade:

"mas essa não sou eu!"

Engraçado né? Ela estava pegando um documento com o nome dela, dos pais, o RG, o CPF e a foto dela. Mas não era ela.

Enquanto se afastava, ainda comentou com a amiga que ia junto, que a foto parecia mais com a fulana do que com ela.

A senhora essa me fez lembrar de uma cliente uma vez, que me pediu para imprimir umas fotos, mas que antes, tirasse uma certa "pele" que tinha aparecido em todas as fotos. Segundo ela, tinha que tirar, pq ela não tinha aquilo, não sabia pq aparecia nas fotos.



Que imagem construímos para nós mesmos?
Por dentro e por fora.












ah! terei uma carteira de identidade nova careca e com barba.
logo eu, logo eu.


Porto Alegre

Cada um seguindo seu caminho.

segunda-feira, 2 de março de 2009

Isaac


Segunda-feira.
Chuva e calor.
Fila do banco.

E o Isaac rindo e me abanando.

Esse guri salvou o dia.

Ele me disse todo o nome dele, mas o tapado aqui esqueceu.



Ah. Sim, decidi tirar fotos agora.
Mas como o talento e a máquina não são lá muito confiáveis só publicarei as decentes.

Relações.

Eu ia escrever sobre como tratam os doentes.
É, ia parecer que eu estava só reclamando e ia ser isso também.

Mas, por acaso, eu pensei nesses dois últimos meses, que acabaram no último sábado, e percebi que minhas reclamações seriam superficiais.

As minhas reclamações seriam quando as pessoas acham que por alguém estar doente podem dar qualquer opinião. É, reparem nisso. Desde de "acho que tu não devia fazer isso", até, "na minha opinião tu está cansado" passando por, "isso não serve para ti".
As pessoas doentes não perdem a razão (a não ser que perder a razão seja a doença), lembrem-se disso.

Desisti de fazer um texto assim quando percebi o quanto meu quadro mudou durante esse ano, que mal começou. Eu mesmo me assustei. O Leonardo do 1º de Janeiro parece estar em outro mundo agora.

Não sabemos o que está se passando na cabeça daqueles que nos rodeiam, não tem como saber. O que angustia, o que faz esperar, o que faz agir, o que faz sorrir. E mesmo que a gente ache que entenda um pouco do outro, logo vai mudar.
Olhando assim, fico pensando em como estruturamos as nossas relações.

Minha revolta, que seria o início deste texto, se transforma em um apelo ao entendimento, a confiança e a sinceridade.

sábado, 28 de fevereiro de 2009

Vinhoterapia

Hoje de manhã, ouvindo o rádio, descubro que um programa estava distribuindo entre os ouvintes uma sessão de Vinhoterapia.

Até aí, entendível, eu, por exemplo, tenho curiosidade para saber como é. E tem gente que tem dinheiro para colocar nisso. O que me surpreendeu foi o público dessa sessão que estava sendo sorteada. Era para cachorros.

Animais são lindos. Ter bicho de estimação e cuidar dele também. Não acho muito saudável morar com um cachorro ou um gato em um apartamento, mas isso é questão de gosto e costume. Mas vinhoterapia para animais?

Para mim, strees de cachorro se cura com um bom pedaço de pátio e outro de osso.


Só pensei em quantas bocas dava para alimentar e quantos porres dava para tomar com o dinheiro e o vinho que investem nesse negócio.



(ah! sessão, secção, ceção, cesção... devo ter escrito errado).

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Vai. Vem.
Vem. Vai.

De repente. É hora de parar e pensar de novo.


E assim segue....

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Escolha Final

Sempre falo sobre escolhas, decisões, conseqüências...

E esse feriadão fiquei sabendo de uma história que me deixou boquiaberto.

Para cada escolha, um motivo. Assim penso eu, ao menos.

Algumas regiões do estado estão com foco de Febre Amarela, então, obviamente, o recomendável é que as pessoas que vão se dirigir a estas regiões tomem a vacina contra essa doença alguns dias antes de ir até lá.
Até ai tudo bem.
A notícia foi que uma mulher morreu em conseqüência de ter tomado a vacina.
Estranhei. Depois fiquei sabendo que é uma possibilidade muito remota, mas que pode acontecer.

Até então o fato era triste e lamentável. O que me surpreendeu foi a história da mulher que veio a falecer.

Ela necessitava fazer hemodiálise. O que já indica uma saúde fragilizada. E além disso sabia que tinha Lúpus, uma doença que atinge o sistema imunológico.

Algumas vacinas são feitas com um virus atenuado. Ou seja, meio vivo. Uma pessoa com o sistema imunológico prejudicado ou em mau funcionamento corre grandes riscos de contrair essa doença, ao invés de tornar-se imune a ela.

Segundo li na Zero Hora, ela consultou um médico que disse que a possiblidade de ela falecer ao tomar a vacina existia, porém, era menor do que a possibilidade de viajar e voltar com febre amarela.
Os familiares não queriam que ela fizesse a vacina e nem a viagem. E uma outra pessoa que foi fazer a vacina com ela desistiu na última hora, porque também estava doente, mas de algo bem menos grave que Lúpus.

Ela ficou irredutível.

Irredutível.


Escolhas.

Percebem o peso?

Ela decidiu arriscar a vida.
Talvez ela achasse que a possibilidade do que é raro acontecer com ela fosse pequena demais.
Talvez os motivos dela para viajar fossem grandes demais.



Me surpreendi muito com esses fatos.
Fiquei a pensar em motivações e convicções, os atos e decisões que tomamos em virtude do que acreditamos.





Bom final de carnaval.


Uma Quaresma produtiva.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

"Ah, o carnaval, o carnaval...

eu fico triste,

quando chega,

o carnaval."

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Espiral, preparação, destino

Já escrevi sobre isso.
Mas a idéia sempre volta para a cabeça.

Acho que a vida funciona como se fosse uma espiral. O destino que todo mundo imagina uma estrada que um dia chega ao fim e ponto eu acho que é uma espiral, que um dia acaba porque não tem mais onde ir.

Não é uma questão de acreditar em um destino pré-escrito, acasos que não são acasos ou um plano de Deus. Cada acredito no que quiser. A questão que eu falo é que alguma ordem/organização todas as vidas seguem e essa ordem funciona em espiral.

Pensem bem. Nascemos na ponta externa da espiral (também podemos imaginar um rocambole...) e a partir daí começamos a tomar consciência. Nesse nosso trajeto passamos por muitas coisas que vão formando cada história, cada caráter, cada talento, cada percepção, cada pessoa. Muitas vezes parece que voltamos a algum ponto na nossa vida, mas nunca é o mesmo ponto. Podemos estar em um ponto muito próximo no espiral, porém, cada segundo novo nos coloca em um ponto mais profundo, mais perto do centro.

Não tem como saber o que leva a formar cada indivíduo. Não é genético, pois irmãos gêmeos que crescem separados podem ser muito diferentes. Não é ambiental, pois pessoas que crescem juntas podem ser (e geralmente são) realmente diferentes.

Todos buscamos nos preparar para o futuro, que é o centro do espiral. Desde atendendo instintos básicos como comer e dormir, até estudar, trabalhar, desenvolver conceitos e talentos. Mas como explicar que seres humanosque possuem, igualmente um "telencefalo super desenvolvido e polegar opositor" tenham talentos tão diferentes?

É a espiral.

Todos temos uma. Seguimos uma. Somos uma.

Ainda acredito que possamos mudar um pouco ela. Deixa-la um pouco mais do lado do bem, um pouco mais correta ou, no mínimo, agradável. Afinal ela pode ser bem justa e longa ou larga e curta. Nunca se sabe.

Também não vamos largar tudo ao acaso.
Pode estar na espiral que hoje vai chover e amanhã vai fazer sol. Mas ainda podemos escolher se vamos nos molhar ou nos proteger da chuva, parar em uma sombra ou bronzear o rosto.


Abraços, beijos.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Mistério do Tempo

Que mistério há no tempo?


Por vezes passa e se perde,
Como a água entre os dedos.
Que escorre e não pode voltar.

Por outras nos segura e não foge.
Como cobra que chega lenta,
Enrola-se à presa,que só pode esperar.

Tempo que ensina,
Tempo que machuca,
Desenhando cada sina,
Marcando cada passo.

Tempo que é rio,
Passa, passa e passa.
Levando peixes,
Aprisionando rochas.








à pedidos...

Beijos

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

The book's on the table

Leituras de verão.

SATOLEP - Vitor Ramil
Bom demais. Em busca da alma.
Para quem mora em Pelotas fica melhor ainda, mas mesmo quem não conhece a terra da umidade vai gostar.
Se tiver paciência com um jeito de escrever que pode parecer um pouco difícil.

ON THE ROAD - Jack Kerouac
Do caralho.
Sonhando em viajar? Esse é o livro.
Querendo abrir a cabeça? Esse é o livro.

O DIA DO CURINGA - Josteein Gaarder
Todos nascemos como cartas de um imenso baralho. Podemos nascer sabendo a que grupo pertencemos, qual o nosso valor e qual a nossa função e assim, se acostumar com o mundo. Ou podemos ser curingas, que se libertam e vivem a se deslumbrar com o mundo.


Enfim, São 3 livros em menos de um mês, a mente fervilha, e resolvi sugerir para quem está procurando algo para ler.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

6 bilhões de pessoas
seguindo seus caminhos.
fazendo suas escolhas
construindo o destino.


Cada opção que fazemos influi no que acontecerá depois.
Que critérios usar para essas escolhas?
Sigamos o coração. Em algo acreditamos.
Sigamos impulsos. Sem perder nenhuma convicção.




Frase de filme: ".. enunca haverá nenhum igual..."

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Cada um de nós carrega os estigmas, o destinos e os paradigmas que a vida nos dá.
De alguns podemos nos livrar, caso não nos façam bem.
Em relação a outros, só nos resta aceitar.

Apesar de tudo que não podemos mudar, podemos sim, aumentar nosso campo de visão. Procurar ver o que se passa e entender como se chegou ali. E só então, fazer o nosso julgamento pessoal. E enfatizo no PESSOAL, cada um pensa o que quer, mas para continuar com a sua individualidade tem que aceitar a dos outros.

E assim conseguimos a tolerância. É, tolerância. O que faz que pessoas divergentes convivam, o que faz irmãos diferentes se entenderem, o que faz professores suportarem alunos que não concordam com eles.

Para mim existe o certo, existe o errado. Mas existem muitas formas de certo e muitas outras de errado. E entre as formas de certo que são conflitantes, sempre é possível achar, com tolerância e conversa, o caminho do meio, que promove paz. Essencial para prosseguirmos.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Estamos sós e nenhum de nós
Sabe exatamente onde vai parar
Mas não precisamos saber pra onde vamos
Nós só precisamos ir
Não queremos ter o que não temos
Nós só queremos viver




O Humberto é foda.








"Vamos sair por aí, vamos chegar até lá, seja lá, aonde for." (essa é minha)

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Luto

Não há o que dizer numa hora dessas.

Sou Xavante, estou triste, estou perplexo.
E queria ir até Pelotas.

Tchê, que mundo é esse?









Brasil, Brasil, Brasil
As tuas cores são nosso sangue nossa raça
Brasil, Brasil, Brasil
Força e vontade cheio de graça
Brasil, Brasil, Brasil
Nós este ano, vamos vencer
Salve o Brasil
O campeão do bem-querer
Avante com todo esquadrão
Torcida do nosso campeão
Ele tem seu passado de glória
Tem o seu nome gravado na história

CORO

Lá no estrangeiro
Mostraste ser bem brasileiro
Com os louros da vitória
Trouxeste para nós mais outra glória

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Por cima,
Por baixo,
Num lado,
No outro.

Sem poder correr,
Sem chance de parar,
Sem poder ser,
Sem chance de iniciar.

São difíceis os dias na prisão chamada tempo.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Transformar a ação.
Mudar a cabeça.
Modificar as idéias.
Obstinação por tornar-se obstinado.


Se eu disser que estou bem, mentirei. Mas nada que não seja contornado.

Abraços.

domingo, 4 de janeiro de 2009

Dificuldades são muitas.
Convicções ainda firmes.
Paciência no limite.
Dores indo e vindo.
Como é doce a vida aos 19 anos.

e ah! Começarei a escrever no Amigos de Pelotas às quartas. Confiram.




Frase de filme: "Você pode matar um homem, mas não seus ideiais"

Frase filosófica: "tempo, tempo, tempo, mano velho..."

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Não era essa a surpresa programada... mas voltei pro hospital...
Isso, virada no hospital, bem empolgante.



Não deixem de acessar www.amigosdepelotas.com no decorrer do dia de hoje...


cumprimentos.