terça-feira, 28 de abril de 2009

Dilma

Diz a Dilma que vai fazer Quimioterapia mas não vai diminuir o ritmo de trabalho.

Menganaqueeugosto.

domingo, 26 de abril de 2009

Sabe quando algo desperta?
Sabe quando da vontade?
Sabe quando imagina-se o futuro?
Sabe quando...

É. Eu sei.





ao menos hoje.

sábado, 25 de abril de 2009

Pode ser só o clima.
Pode ser a aura.
Pode ser a energia.
Podem ser as pessoas.

Mas ja repararam que tem lugares que te desanimam, te deixam lerdo, parado ou sem iniciativa?

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Da série Sentimentos sem sentido - 1

Era sempre a mesma coisa.
Ele estava cansado disso.
Não podia continuar assim.
Ele merecia muito, muito mais.
Ela não tinha direito de fazer isso.
Ela não podia ignora-lo.
Ela não mudava de atitude nunca, merecia uma resposta.
A conversa era sempre a mesma, sempre.
Ele já podia ouvir as palavras dela antes mesmo de vê-la.
Dessa vez ele ia mudar isso. Não podia continuar assim.

Ele caminhou em direção a ela, concentrado, determinado a mudar aquela rotina.
Passos lentos, olhar firme, como um caçador atrás da vítima.
Mas...

Quando ela o olhou com aquele olhar inesquecível e lascivo, ele se desarmou. E nada mudou, a conversa foi a mesma de sempre.

"oi. Pra ti?"
"4 pães, por favor"
"hum..."
...
"mais alguma coisa?"
"não. só."
"obrigada"
"valeu..."

domingo, 19 de abril de 2009

sábado, 18 de abril de 2009

Uns dias longe da internet e sinto falta de escrever aqui.

Escrever e imaginar a reação de quem lê é algo que já faz parte da minha rotina. Poucas pessoas comentam, fato do qual não reclamo já que eu raramente comento em outros blogs, mas as vezes sou surpreendido por alguém que diz que lê e gosta.

Enfim, no momento nada demais passa pela minha cabeça, além das minhas aflições pessoais. Escrevo só para dizer que sinto falta de jogar minhas idéias pra cima e ver se alguém pega. Sinto falta de vocês, mesmo que o único sinal de existência que tenho seja o número ali do contador subindo.


Cumprimentos.

terça-feira, 14 de abril de 2009

O diferente

Lá estava eu, entre 40 ou 50 pessoas. O espaço é pequeno e todos se aglomeram. Eu de máscara, minha mãe ao meu lado. Aos poucos, as pessoas começam a ser chamadas e direcionadas, minha mãe inclusive.
Algum tempo depois, lá estava eu, entre 20 ou 30 pessoas. 20 ou 30 pessoas que faziam um círculo na minha volta, enquanto conversavam sobre suas desventuras, e deixavam ali, isolado, o cara de máscara.
Não, não me senti chateado, até pq eu realmente estava querendo ficar sozinho e quieto. O que faz pensar é que eu recebi o resultado do exame que me permitia tirar a máscara na tarde do mesmo dia do acontecido, mas tem pessoas que carregam diferenças que não saem como uma máscara.
Talvez seja natural do ser humano se distanciar do que lhe é estranho, talvez seja mais fácil ignorar e seguir, talvez seja mais fácil não se envolver.
Não posso afirmar nada além do fato de que, se eu sofresse esse tipo de coisa todos os dias ia realmente precisar juntar toda a minha paciência, toda a minha compreensão e toda a minha coragem cada vez que fosse sair de casa.




Frase de filme: 'ela nem sabe meu nome de verdade'

domingo, 12 de abril de 2009

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Fluir e mudar

Tudo flui.Tudo muda.
E cada um acha que flui ou muda por um motivo.
Eu acho, que seja lá o motivo que for,
que fluirá e mudará até achar um equilíbrio.
Até lá,
Só resta se adaptar.
Que uma hora chega.

domingo, 5 de abril de 2009

Sinceridade, mudança.

As vezes, quando se é sincero, machucamos.
E isso acontece pq não se quer enxergar as coisas.
Também crio fantasias ou ignoro o que não me satisfaz, mas, depois do soco na cara de perceber o real, percebe-se que ter a certeza, mesmo que ruim, é sempre melhor.
Por isso tento sempre ser sincero.

Todos criamos fantasias para nos sentirmos melhor, mas a alegria, quando verdadeira, compensa encarar a verdade.

Encarar a verdade e saber que não é definitivo. Tudo está sempre mudando, sempre fluindo e se transformando.

sábado, 4 de abril de 2009

Anseios e desejos

Ansiedade pela chance de agir.
Ansiedade pela atividade.
Atividade pela felicidade.
Felicidade pela luta.
Luta para voltar.
Voltar para, então, partir.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Quem ler o post abaixo, por favor, não me mande ver Marley e eu.

Pode ser preconceito, mas me parece filme de cachorro misturado com auto-ajuda.

Preconceitos e filmes.

Todos nós temos algum preconceito.
Talvez por medo do novo, talvez por uma educação errada.

Eu tenho vários. Mas não é nada muito grave, nada racial, social, sexual...

Uma amiga minha diz que o preconceito que ela tem é com pessoas que sabem nomes/números de modelos de aparalheos de celular. Sei lá, acho que compartilho.

Um preconceito que eu tenho é com filmes dublados. Como gostar de um filme dublado? Um filme dublado possui, no máximo, um rascunho da interpretaçãod dos atores.
Outro preconceito cinematográfico? Filmes que passam na TV de manhã. Geralmente são o resto dos restos.
Filmes com bichos e crianças heroínas também sempre merecem minha descofiança.

Mas não é que um filme dublado, visto esta manhã me emocionou? (não ainda não gostei de nada com animais sensíveis ou falantes)

Escritores da Liberdade, o nome. Para quem já viu e achou piegas, saiba que eu também achei, mas algo fez sentido. Talvez o fato de tudo resultar em um livro. Talvez o fato da aceitação da igualdade, do fim de preconceitos.

Sempre gostei de grandes histórias, personagens que mudaram o que aprecia imutável.

Enfim, fica a dica cinematográfica e a reflexão sobre preconceitos.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

A pequena chance.

Filme que vai para festival na europa passa em Pelotas.
A Argentina leva 6 da Bolívia.


Como diriam os Titãs 'há sempre a pequena chance do impossível rolar'







Frase de filme: "mas isso seria impossível de acontecer!"